domingo, 27 de septiembre de 2015

notas sobre um deslizamento de terra. ninguém se feriu.

Em cima da mesa, o café mancha a toalha com galos bordados. A garrafa não foi enxugada corretamente, então, quando a apoio na toalha com galos bordados, mancha. 
O café mancha. Minha angústia escorre pelas paredes da casa, a fumaça do café se mistura com ela e torna tudo um pouco mais vivo, mais real.  
O café, ao menos, me salva. Me salva da minha própria moléstia, da minha própria solidão, do desespero que criei.
Esses dias me perguntaram se eu tinha uma "pessoa fixa". Respondi sinceramente: "Eu não tenho salário fixo, eu não tenho uma pessoa fixa. Eu não sou alguém fixo". 
Acha que fiz mal em ser tão sincero? 
Eu acho que sempre me dou mal quando sou sincero. As pessoas querem a mentira, é mais confortável. Você não. Você sempre quis a verdade. Entrego-lhe, como se passasse para os seus braços um bebê recém-nascido: com cuidado. 
As palavras devem ser manuseadas com cuidado. Especialmente aquelas que falam sobre o cômodo escuro que temos em nós. Desse cômodo, escorre uma água suja, toda vez que uma palavra não é dita. Nesse cômodo moram os incômodos. Os medos são inquilinos que nunca pagam o aluguel. Merda. Você sabe que não há cura para pessoas como nós, certo? Nunca existirá. Porque, eu já disse, as pessoas gostam da mentira. Elas gostam de se enganar. Por isso são enganadas. Assim é mais fácil. 

Sobre aquele dia, preciso lhe dizer algo: você achou que eu falava de amor, enquanto eu apenas falava da vida. Por favor, não confunda as coisas. 
Bem, mas acho que você não tem cura no que diz respeito a isso, não é? Tudo bem. Eu vou rezar por você. Quem sabe daqui há uns 10 anos você encontre alguém que também esteja falando de amor. 
Por favor, não se esqueça: quando encontrar essa pessoa, peça para que me ligue. Eu vou dizer algumas verdades a seu respeito. É melhor que seja eu a dizer as verdades sobre você. É melhor que as coisas já comecem claras desde cedo, não quero ver você se culpando mais uma vez. Meu telefone sempre será o mesmo. 

Te espero no bar de sempre, às nove. Dessa vez nada de exagerar na bebida. 

Ass: L. 

No hay comentarios:

Publicar un comentario